30 de dezembro de 2010

Religião? Discuto, sim!

Estamos naquela roda de amigos, legal, tudo numa boa, quando, de repente, a conversa descamba pra aquele assunto muito massa, que todos amam: RELIGIÃO. É... religião!

É bem provável que algum desses amigos seja evangélico, outro seja um católico que frequente a RCC (Renovação Carismática Católica). Encontraremos também católicos nominais, que não praticam as doutrinas do catolicismo, e que só aparecem na igreja em batismos, casamentos e missas de corpo presente, ou de 7, 30 ou 365 dias.

Fato é que o Brasil é um caldeirão de credos. Um país laico, constitucionalmente falando, mas que vive diversas manifestações religiosas.

Intrigante, muitas vezes, além da ignorânica de certas pessoas ao se digladiarem respeitarem discutindo religião, é a forma como fogem ao debate de ideias, à exposição de argumentos, feitos de forma educada, claro, sem baixarias.

O que leva as pessoas a isso? Levantemos algumas hipóteses:

1. Medo de que seus argumentos não sejam consistentes o bastante para "vencer" a discussão?


Um adolescente:
- "Boy", deixe quieto esse negócio de discutir religião. Sou crente, tô na igreja, meus pais também, tô seguro. Se eu for discutir, é capaz de eu não saber defender meus credos, nem vou pra Escola Bíblica...

Outro cidadão:
- É, a Bíblia condena a adoração a imagens de escultura, mas se eu for discutir, baseado nas Escirturas, eu perco a discussão.



2. Pura ignorância e intolerância?






EXTREMISTAS:

Extremista "crisão" protestante:
- Aquelas esculturas ali, na parede? Pode ir tirando, minha senhora, é pecado! E isso não é santo coisíssima nenhuma!

Extremista "cristão" católico:
- Tenho abuso de crente. Ô povo pra zoar e incomodar! Nam!

Extremista ateu
- Hahaha! Cristãos bitolados! Deus? Ele é um delírio, não existe. Nem perco meu tempo discutindo.
______________________

Bem, há vários outros casos.

Sabem, penso que nossa vida deve ser feita de diálogos intensos, vivos, que possam acrescentar algo à nossa existência. Monólogos ou diálogos mesquinhos devem ser postos de lado, e tranformados em boas conversas, nas quais a tolerância e a simpatia dever estar sempre presentes. Temos que respeitar a opinião do outro, independentemente de qual seja o credo dessa pessoa. Sou evangélico e tenho amizade, digo AMIZADE, e não coleguismo, com católicos, e conversamos numa boa [a @C_izzi - por exemplo]. Creio que uma discussão legal, amistosa, é muito proveitosa, SEMPRE!

Quer discutir religião comigo? "Tamo aew", pode me seguir lá no Twitter @felipegameleira - "vamo" trocar uma ideia!

Religião? Discuto, sim! E como discuto!

Mais uma ideia que "avoou" :)

4 comentários:

anny cristine disse...

Adorei!!! É realmente nas rodinhas com nossos amigos sempre tem um que quer fugir do assunto.

Leon K. Nunes disse...

Bom post, também não gosto de extremismo das partes das religiões e das filosofias de pensamento... Espero que tenhamos muitas oportunidades de travar debates afins dentro e fora da sala de aula (vou estudar contigo no curso de Ciências Sociais).

Muito bom o blog, vou visitando-o. Abração e bom conhecê-lo.

Central disse...

Matéria muito legal.
Um assunto polêmico que causa muitas divergências, discutido de uma forma simples, sábia, prudente e clara.

Parabéns Felipe,
O Brasil precisa de Jovens como você.
Fica com Deus

Ellen Ribeiro disse...

Tem selo pra você no meu blog - http://pontadeimpacto.blogspot.com/2011/02/postagem-especial-selos.html *-*